“MARIA VELOSTER ”

Meu nome é Maria de Lurdes e desde pequena sou viciada em “sexo”.

Eu tinha 8 anos e tomava conta do meu priminho de 4 anos. Um dia enquanto
dava banho nele, comecei a limpar o seu pintinho e vi que ele ficava duro. Curiosa,
comecei a mexer e vi que ele gostava... Me aproximei e comecei a chupar..
.
E gostei... para mim era como se fosse um doce, um pirulito.
Toda vez que ia dar banho nele, ele pedia:

- Mama,mama...

E eu sabia o que era para eu mamar!!! Até hoje na nossa cumplicidade ele me chama de
Maria “Chupetinha”.

No colégio ou eu estava apaixonada pelo professor “bonitão” ou estava dando mole para
algum colega. Eu era “facinha, facinha”. Lembro de uma suruba com 4 colegas no vestiário
masculino. Depois da aula de educação física, fui para o vestiário masculino para provoca-los.
Eles não acreditaram quando me viram...Eu tinha fama de “galinha”, mas daí entrar sozinha
no vestiário masculino, era muita ousadia!

A maioria dos meninos tinham até medo de mim, e foram embora, até que ficaram os 4
“metidos a macho”. Eu não fiquei com medo, e só sosseguei quando consegui satisfazer
os 4 rapazes. Por isso o meu apelido no colégio era Maria “Gulosa”.

Um dia eu estava fazendo um teste de emprego numa empresa multinacional que é a Xerox
do Brasil. Depois de 4 horas de avaliação, eu não tinha conseguido resolver nenhum exercício.

Pensei, vou ter que usar o meu “talento”. Fiquei até o final e depois que os outros candidatos
foram embora, usei o meu “decote” para me aproximar do avaliador. Rapidinho estava sentada em seu colo e resolvendo todos os exercícios. Resultado: passei em primeiro lugar
e com “méritos”. E eu não decepcionei a empresa porque em menos de 2 anos eu já era a
melhor vendedora da empresa. Lógico que eu seduzia os clientes porque eu podia oferecer
o que os outros vendedores não podiam. Eles me apelidaram de Maria “Safadinha”.

A minha ambição não tinha limites e no ano seguinte já era gerente... Como gerente comecei
a ter acesso aos grandes clientes, e, lógico eu tinha um talento especial em fechar “grandes
negócios”. Comecei a participar das reuniões com a diretoria e logo já era amante do diretor
comercial. O meu salário era de R$ 20 mil mensais mais as comissões. Comprei um carro que
era lançamento na época: um Veloster da Hyundai. Imagina eu desfilando com um carrão
desses. O meu apelido nessa empresa era Maria “Veloster”.

Mas a inveja dos colegas me derrubou, e da noite para o dia tinha perdido esse super emprego, e estava no olho da rua. Como poderia arrumar outro emprego onde eu ganhasse tão bem? Hoje sou acompanhante de luxo, ganho bem e faço o que mais gosto que é
SEXO!!! O meu nome de guerra? Maria “Satisfação”!!!


FIM